fbpx

Chip A14 Bionic foi pensado “para todos os dispositivos Apple”

Executivos da companhia detalharam o novo processador em entrevistas

O vice-presidente de arquitetura de plataforma da Apple Tim Millet, e o diretor sênior de marketing do Mac e do iPad Tom Boger, se juntaram recentemente para falar sobre o novo iPad Air e, mais especificamente, o chip A14 Bionic.

Em uma entrevista para o Relay FM, Boger repetiu algo que o vice-presidente de marketing de produtos da Apple, Bob Borchershavia ventilado no semana passada — de que o Touch ID no botão superior (liga/desliga) foi “uma incrível façanha de engenharia”.

Um dos objetivos do iPad Air é tornar algumas dessas tecnologias fantásticas mais acessíveis. O que queríamos fazer era trazer esse novo design para o iPad Air […] e decidimos que iriamos projetar o Touch ID direto no botão superior. É uma façanha de engenharia realmente incrível.

Sobre o processo de 5nm usado no chip A14 Bionic, Millet explicou que o objetivo do novo iPad Air é ser energeticamente eficiente, de forma que o dispositivo possa entregar mais recursos a partir de um gasto energético muito menor.

Coisas como a GPU2 [do A14 Bionic], por exemplo, podemos melhorá-la e rodar seus quatro núcleos em uma potência mais baixa e ainda oferecer um desempenho incrível. Também podemos pegar esses mesmos transistores e aumentar a potência e o desempenho dessa GPU, impulsionado o processamento por breves períodos de tempo quando um jogo exige algo realmente rápido.

Em uma outra entrevista, para o Engadget, Millet completou que viu, no processo de 5nm do chip A14, a “oportunidade de fazer coisas que seriam impossíveis com um conjunto de tecnologias para uma GPU tradicional”.

Você poderia, em teoria, fazer muitas das coisas que o Neural Engine faz em uma GPU, mas não pode fazer isso dentro de um módulo apertado e termicamente limitado.

Os executivos também explicaram para o Engadget que a equipe de arquitetura de chips da Apple pensa em todo o portfólio de produtos da companhia na hora de desenvolver seus chips, imaginando como eles podem ser usados não apenas em um único produto, mas em vários ao longo do tempo.

Quando o pessoal da Apple começa a trabalhar em um chipset, não se concentra apenas em construí-lo um para um único produto: eles levam em consideração todos os produtos da empresa. Em última análise, queremos ter certeza de que, quando construímos uma CPU3 para uma geração, não a estamos construindo necessariamente apenas para um aparelho.

Embora isso não signifique que você verá a CPU de seis núcleos do chip A14 em algo como um Apple Watch, a arquitetura desenvolvida para o chipset do novo iPad Air pode muito bem ser adaptada e reutilizada em outro dispositivo — como no caso dos Macs com Apple Silicon.

Fonte | MacMagazine