fbpx

Como um iPhone pode monitorizar infecções de COVID-19

A Butterfly Networks desenvolveu um scanner de ultrassom para iPhones que está a ser usado na luta contra a pandemia.

Os sistemas de diagnóstico médico a distancia baseados no iPhone para fraturas e doenças, incluindo o COVID-19, podem estar apenas a alguns ciclos de teste, já que uma solução da Butterfly Network está a ser usada durante a pandemia.

Um passo de gigante para o diagnóstico a distância

A Butterfly Network, com sede nos EUA, criou um acessório para iPhone que transforma o smartphone no equivalente a uma máquina de ultrassom, facilitando muito a implantação desta tecnologia essencial de análise para salvar vidas em novos ambientes.

O sistema foi demonstrado na WWDC 2019

O sistema da Butterfly Network, consiste num scanner de ultrassom portátil ligado a um iPhone pela porta lightning para coletar imagens de ultrassom usando a aplicação TeleGuidance que o acompanha. (O aplicação funciona em iPhones, iPads e nos Macs mais recentes. O scanner também funciona com o Android.)

As regras de administração de exames médicos, mandam que, um profissional de saúde, especificamente treinado, para realizar de terminado exame, tenha de estar com o paciente para o fazer, mas com a pandemia mundial importa olhar para a capacidade da tecnologia e perceber se as regras poderão ser revistas em alguns casos.

Já é possível que os médicos realizem exames de ultrasom a distância, guiando o paciente durante o processo.

A maioria das empresas reconhece as vantagens que a infraestrutura de Colud pode oferecer, como ajudar a otimizar as operações de TI, aumentar a flexibilidade e reduzir custos

Melhores ferramentas para atendimento

Esta introdução de ferramentas mais eficazes para o atendimento também é uma ilustração convincente de como os iPhones e outros dispositivos móveis se estão a tornar componentes integrais para a prestação de serviços de saúde.

Já estamos acostumados a consultas e ferramentas digitais para rastrear os níveis de atividade, mas o sistema Butterfly também mostra como estes dispositivos direcionarão coleções de importantes ferramentas de diagnóstico – assim como o Apple Watch capta extensas quantidades de informações sobre saúde e coração.

A empresa melhorou seu software TeleGuidance para permitir o monitoramento remoto, disse Laurent Faracci, CEO da Butterfly:

O TeleGuidance utiliza uma variedade de ferramentas de orientação de realidade aumentada de ponta e fáceis de usar, para permitir que profissionais preparados realizem uma ecografia sem estar ao lado do paciente.

Respeitando as diretrizes de distanciamento social, o processo de digitalização pode ser tratado por um assistente treinado enviado ao local com o equipamento ou por um familiar próximo – tudo o que será preciso fazer é seguir as instruções de um profissional.

Esta não é a única ilustração de como os dispositivos móveis podem ser úteis. A Apple e o Google trabalham para encontrar uma maneira de fornecer dados de surtos acionáveis ​​e, ao mesmo tempo, proteger a privacidade do utilizador e a solução da Gauss Surgical, que permite maneiras mais eficazes e seguras de melhorar o procedimento de teste, são bons exemplos disso.

O futuro não será totalmente definido pela pandemia, mas está a mostrar como as ferramentas e dispositivos móveis que usamos podem ser estendidos para fornecer soluções para estes e outros problemas futuros. Parece provável que um dia um iPhone seja uma ferramenta tão útil no estojo do médico quanto um estetoscópio.

Fonte | ComputerWorld