fbpx

Apple lidera nos lucros obtidos com a App Store face à Google Play Store

O mercado das aplicações para dispositivos móveis Android e iOS (Apple) continua a ser um dos mais rentáveis, além de estar em franco crescimento. Ao propósito, a Sensor Tower partilhou agora o seu relatório alusivo à primeira metade de 2019, com a App Store a liderar sobre a Google Play Store nos lucros.

No entanto, a Google Play Store tem uma grande vantagem face à alternativa da rival, Apple.

Em boa verdade, várias das conclusões do novo relatório acabam por ser uma constatação do óbvio. Tome-se, por exemplo, a quantidade massiva de apps na Google Play Store, como principal vantagem sobre a rival, App Store. Algo que também não é desprovido das suas desvantagens face a tamanha diversidade da oferta.

A App Store continuam a ser a loja mais lucrativa

Com efeito, os utilizadores do universo Apple são mais propensos a comprar aplicações e serviços através da App Store. Ainda que a oferta possa ser menor, ao final do dia acaba por ser a tecnológica de Cupertino quem mantém a liderança nos lucros auferidos. Contudo, o diferencial neste quesito é cada vez menor.

De acordo com os dados da Sensor Tower, a App Store terá gerado cerca de 25,5 mil milhões de dólares durante a primeira metade de 2019. Isto é, 22,7 mil milhões de euros no espaço de 6 meses. É um considerável aumento face ao período homólogo de 2018, em que os lucros atingiram os 22,6 mil milhões de dólares.

Como um todo (Google Play Store e App Store), o mercado de apps gerou cerca de 39,7 mil milhões de dólares, ou 35,3 mil milhões de euros. Desse modo, regista-se um aumento anual na ordem dos 15,4%, face aos 34,4 mil milhões de dólares, ou cerca de 30,6 mil milhões de euros. Em síntese, um crescimento notório.

A Google Play Store continua a ter a maior oferta de apps

Já por sua vez, os utilizadores da Google Play Store foram mais comedidos nos gastos. A saber, durante os primeiros seis meses do ano terão gasto 14,2 mil milhões de dólares, cerca de 12,6 mil milhões de euros. No entanto, também aqui se registou um crescimento (19,6%) face ao período homólogo de 2018.

Algo que nos permite aferir um crescimento mais significativo nos lucros gerados pela Google Play Store. Ainda que a liderança continua a pertencer à rival de Cupertino, vemos um gradual caminhar em direção ao equilíbrio. Isto é, a alternativa da Google aproxima-se cada vez mais das cifras da App Store.

Ainda de acordo com a mesma fonte, temos outras métricas de interesse. A saber, foi na Google Play Store que se registou o maior número de primeiras instalações. Isto é, utilizadores que descarregaram e instalaram para o seu terminal, pela primeira vez, uma determinada app. A vantagem da Google neste ponto é expressiva.

O crescente mercado das aplicações móveis

Com todo o mercado em forte crescimento, apesar de a Apple ter lucrado cerca de 80% mais do que a Play Store, a partir desta os utilizadores instalam mais apps. Aliás, estão mais dispostos a experimentar uma nova aplicação do que na solução rival. Mais uma vez, durante o primeiro semestre de 2019.

Além disso, vemos que os utilizadores de iOS instalaram menos aplicações nos seus terminais. Mais concretamente, tivemos uma contração de 1,4%, ao passo que o inverso se registou na Play Store. A saber, este lado cresceu 16,4%, significando que se instalam cada vez mais apps em dispositivos móveis Android.

Este último e curioso indicador pode também ser o início de uma tendência. De consolidação no universo iOS e de descoberta no lado Android. Já no que às aplicações mais rentáveis diz respeito, o Tinder continua a liderar em ambas as lojas. Em seguida temos a Netflix, bem como a Tencent Video Service e o YouTube.

Por fim, vemos que os jogos são cada vez uma fonte de rendimento. Entre estes, os mais lucrativos foram o Honor of Kings da Tencent, seguindo-se o Fate/Grand Order da Sony. Temos ainda o Monster Strike, o Candy Crush Saga e, por fim, o PUBG Mobile.

Fonte | PPLWare



%d bloggers like this: